março 05, 2009

Entre borboletas e urubus

dio santo! há até pouco tempo, eu era daquelas que dormia de meia e edredon, não importasse o calor que fizesse. não, não residia no nordeste. minha morada sempre foi em dijá mesmo - ou diadema city, como preferir. até que me mudei pra um apartamento fresquinho, todo branco, calmo por dentro e barulhento por fora, para que os sintomas da menopausa aflorassem em plenos 20 e poucos anos. ok, nada de menopausa. a pergunta que assola a rapaze são paulo afora é "que calor infernal é esse"?

bastou o calor para que meus hábitos invernísticos se fossem de vez. passei a domir de calc****** e, ops!, sem meias. pra completar as sessões refrescantes, passei a abrir a janela também. funcionou bem por alguns dias até que, na noite passada, uma visita não convidada, não imaginada e muito mal vinda, diga-se de passagem, resolveu aparecer. eu lá, vendo "onde os fracos não tem vez" dublado, quase me convencendo a ir dormir sem escovar os dentes, luzes ainda acesas e... o ser voador gigante adentra pela janela em minha direção.

depois de uma sucessão de gritos e coisas esparramadas pelo quarto e pisadas pelo chão, minha mãe decidiu vir ser a forte vez e me socorrer. sem entender direito o que acontecia, batia com um pano nos móveis do quarto, revistas e todos os lugares por onde o monstro poderia ter decidido pousar. a essas alturas, a janela estava fechada e minha mãe não encontrava o você-sabe-quem que decidira passar a noite comigo, como se fosse fácil e permitido qualquer um chegar assim pra me fazer companhias noturnas.

depois de muito procurar e eu apenas observar com os cabelos arrepiados na porta, ela jogou os panos e decidiu que não havia nada. tudo poderia ter sido fruto do filme que eu estava vendo. me deu boa-noite e disse que a chamasse caso o você-sabe-quem aparecesse. se eu consegui dormir? vencida pelo sono, sim, mas com pesadelos com seres voadores, lógico.

enquanto tomava meu café-da-manhã e assistia ao jornal, minha mãe senta-se ao meu lado e comenta que eu estava fazendo um escândalo por conta de uma borboleta - imaginem! - enquanto havia condomínios em situações piores, cujos apartamentos eram divididos com urubus. você entendeu direitinho, eu disse u-ru-bus que, ainda por cima, são protegidos pelo ibama e não podem ser expulsos.

pode uma coisa dessas!?

está decidido. a partir de agora, dormirei com a janela lacrada. senão, daqui a pouco uma cegonha adentrará voando e eu não terei nem como contestar.

ops, brincadeirinha!
A volta de quem nunca foi

É, pessoal, eu sempre me vou sem de fato ir. Acho que isso tem muito a ver com os momentos que vivemos. Muitas vezes, sem perceber, a gente acaba dedicando tempo e atenção para outras coisas ou outras pessoas porque, por natureza, a vida pede isso de você. Isso não acontece necessariamente por frustrações ou coisas do gênero, mas, talvez, por adaptações.

De repente, você consegue equilibrar as coisas sem o risco de se desapegar do que é importante. Creio que cheguei a este ponto e, não sei bem, mas acho que vai dar certo. Voltei a minha atenção às filosofias da vida e conseguirei organizar meus pensamentos por aqui.

Para oficializar este retorno, usei do meu impulso para dar uma cara nova ao Proseando. Melhor dizendo, usei beeem pouquinho porque, se realmente tivesse adaptado as minhas idéias, teria menos visitas do que realmente tenho.

Por isso, um viva e um obrigada especial à Carol, que impediu que eu utilizasse as minhas habilidades de designer para o bem de todos nós.

Que nossas prosas sejam prazerosas e, aproveitando a proposta artística, que tudo fique assim, tudo azul!

dezembro 10, 2008

sabe, as verdades ditas no momento da raiva tendem a ser mais verdadeiras do que as outras verdades. a gente tenta apaziguar, mentalizando que esse tipo de coisa não vem do coração, que não passa de um surto psicótico raivoso que, quando dispensado de dentro da gente, é naturalmente minimizado e deixado de lado.

tudo mentira.

a gente tem mania de enxergar só as partes boas e fica correndo atrás de desculpinhas cruelmente tendenciosas só pra não encarar ela, a verdade, de frente. mascara tudo, passa a borracha e segue a vida ignorando o fato de que essa mesma verdade voltará algum dia, talvez com mais força, talvez mais verdadeira, arrasando com aquela coisa customizada que a gente produziu só pra se sentir bem.

tudo verdade.

dezembro 01, 2008

outro dia estava pensando em acabar com tudo isso aqui, mas mudei de idéia porque costumo repensar quase tudo o que decido impulsivamente. não quero hoje, mas só de raiva o meu instinto geminiano e instável por excelência fará com que eu queira amanhã. é, minha gente, eu me conheço. costumo fazer comigo quase tudo o que faço com vocês. incluindo as raivinhas e os momentos felizes. vai entender.

estava vendo a minha mais nova série favorita, brothers and sisters, e, num insight, me veio tantas coisas que eu poderia externizar. bastaria me sentar em frente ao computador e dispensar tudo no meu teclado negro (que um dia minha mãe confundiu com um mouse, mas essa é uma outra história), e pronto. estaria resolvido. mas então, eu me coloco a perguntar os porquês julianísticos e deixo tudo passar, largo de mão, esqueço e prefiro ver tevê. eu não entendo. penso que entendo de mulheres, mas é tudo mentira. entendo nada. nada. nada.

estou apaixonada. sim, estou. talvez, esta nova sensação tenha me insentado da necessidade de compactuar com meus pensamentos. eles já não são primeiros termos. é, não são. até a estratégia de adormecer se transformou numa outra estratégia, embora às vezes eu ache que tudo isso está errado. cada vez que me aventuro num repensar de relação ou na olhadela infeliz pro lado de lá ou no telefonema que está demais ou de menos... não importa. não me entendo.

enfim, não acabei com isso aqui. e nem vou acabar. um dia ou outro, alguma visita isso aqui terá. talvez, a minha. talvez, a dela. e, arrependimentos, só dos que não escrevi.

julho 23, 2008

Meu Nome Próprio

detesto críticas. opiniões alheias. observações dispensáveis.

acontece que quando você produz algo, esse algo está sujeito a interpretações. o mundo está cheio de 'atitudes humanas mais antigas', mas ainda assim arrisco dizer que interpretar é um ato pioneiro. dar a explicação que bem entender a respeito de todos os assuntos e não se importar com a repercussão.

assim é a maioria das pessoas e, que novidade!, eu não me excluo. simples: toda arte existe para ser contestada e, a partir do momento que é lançada a olhares alheios, perde-se por completo o domínio do seu verdadeiro, ops novamente!, inicial valor.

esta introdução existe para dizer que ontem decidi me visitar. voltei ao passado responsável pelo esboço de quem sou hoje e o encarei de frente nas telonas. conferi o longa "Nome Próprio", de Murilo Salles, inspirado nas obras de Clarah Averbuck, cujas palavras, há uns cinco ou seis anos, germinaram a juliana de hoje.

não sou clarah, não sou camila, nunca fui e nem pretendo ser. ocorre que quando uma obra de arte faz sentido, você se vê dialogando com ela de forma natural. foi assim comigo. a autora, sua história e sua personagem me ensinaram a arrancar de mim a coragem de viver de forma idiossincrásica, como deveriam ser todas as vidas. não sei se hoje estas figuras teriam me resgatado, mas naquela época tudo fez sentido.

acredito ter pecado revelando-me uma fã. acho que a gente não deveria se colocar neste status diante de ninguém. obviamente não trata-se de inveja. é apenas uma conclusão de auxílio para ajudar as pessoas a continuar sendo tudo o que são. sem intervenções.

clarah, camila e o brazileira!preta foram fundamentais para que eu entendesse a razão de estar aqui hoje. e isso pra mim basta.

mas preciso dizer sobre o filme. o mesmo filme, o qual fui procurada, como leitora-fã de Clarah Averbuck, para complementar os estudos pré-filmagens. sabe-se lá se isso realmente aconteceu, mas necessito afirmar que a obra complementar é tão importante pra mim quanto deve ser para a própria Clarah. ela pode achar que não, mas suas palavras foram fundamentais para mim e as milhares de pessoas que as leram, a ponto de se transformarem em utilidade pública. isso deve ser doloroso, imagino. o ato de ser lido deve ser tão doloroso quanto o ato de escrever. Clarah sabe muito bem disso e não cabe a mim tentar justificar.

a questão é que a adaptação (e peço desculpas aqui pelo que escreverei se o termo adaptação por si só insenta todo e qualquer comentário que se faça sobre a obra original), não fez jus à camila que falava diretamente comigo aqui bem pertinho do meu ouvido. a camila da leandra é por demais lírica e, ao tentar resgatar todo o elenco de uma inexperiência nítida, acaba esquecendo-se de sua essência. okay, o lírica fica por minha conta. quem conhece a camila real sabe a que me refiro. a semelhança, talvez única, entre as duas é que ambas não fazem o menor esforço para serem queridinhas por quem as conhece. nisso, murilo acertou: a busca por algo incrivelmente intenso, tão intenso que até se duvida de que realmente exista.

por demais, sobram elementos como o próprio roteiro em si, fatalmente ultrapassado, uma vez que o universo dos blogues fora ligeiramente substituído pelo das comunidades onlines, que, por igual fatalidade temporal, será substituído por uma novidade contemporânea qualquer. fatores técnicos cinematográficos, embora não sejam de minha alçada, também merecem ser mencionados. falhas de edição e disparidades entre a fala e o áudio são facilmente encaradas como absurdos numa época em que processos como estes são amparados pelas melhores das tecnologias. pôde-se visualizar, por milésimos de segundos, um dedo na frente da câmera em uma das cenas. uma análise técnica mais profunda, não me caberia.

a única coisa que cabe agora é prosseguir de onde parei. é o que cabe a todo mundo.

de mim, um brinde às inúmeras camilas que tentam se resgatar cyberespaço afora.

junho 30, 2008

atendo o telefone e, do outro lado, ouço um meigo "e aí, como você está?". respondo que tudo bem, devolvendo a pergunta. na seqüência, ouço uma sucessão de suspiros e onomatopéias. engulo meus instintos e fico quieta, como se numa tentativa de pressionar um comentáro que venha sem medos e sem medidas, antes dos meus. com algum esforço e muita psicologia, eles saem. abstraio a situação e sigo.

entro no msn e sou surpreendida pelos parágrafos que escrevo, na íntegra. eles aparecem seguidos de interrogações nas entrelinhas sobre o que significam. e então, eu rio. a complexidade do ser: questiono sobre o que ela não fala e ela me questiona sobre o que eu falo.

ao contrário dela, não consigo me insentar das explicações. ela torna a me questionar sobre o fato de que, se escrevo, é sobre mim e pode ser sobre ela. eu concordo. mas replico dizendo que escrever sobre mim é uma coisa, mas nem sempre significa que seja algo que eu sinta. talvez, seja apenas algo que eu pense. e ninguém é imune aos próprios pensamentos.

ela diz que entende. e eu finjo que acredito. baixo o meu olhar, ignorando o fato de que, algum dia, isso será tema de uma das nossas crises. talvez seja. e por conta da minha racionalidade extrema. neste final de semana, ela me ensinou que não é saudável deixar que as pessoas nos incomodem por qualquer assunto. perguntei a ela se certa coisa não a afetava e ela me explicou que permite afetações apenas sobre o que realmente importa. sorri por dentro.

naquele momento, entendi que ela não precisava falar muito porque a própria forma de ser já era o suficiente. algumas pessoas são assim. são o que são por natureza e não por teorias minuciosamente transcritas no bom português.

sugeri a ela que não tentasse me entender pelo que escrevo. definitivamente, não seria saudável. algumas pessoas precisam ter um certo discernimento quando decidem cavucar as outras por dentro. sinto que isso não a acalmou. vou publicar este texto e, novamente, ser acometida por interrogações camufladas sobre tudo que acabei de escrever. desta vez, está direto e objetivo. espero que minha racionalidade seja perdoada.

e espero, ainda, que ela entenda que eu a amo de todas as maneiras, independentemente do meu senso de observação.

E eis que finalmente ficou pronto!

Amigos visitantes, compartilho com vocês mais esta competente organização, administrada pelo ilustríssimo Sergio Simka, da qual participo com um artigo.
Este livro tem por objetivo proporcionar uma reflexão sobre a importância da comunicação nos tempos atuais, seja nos planos pessoal ou profissional, seja nos aspectos oral e escrito.
A obra é uma reunião de artigos que tratam de temas atuais da comunicação, numa abordagem simples e didática, para que realmente seja funcional.
Seus autores são professores, comunicadores e estudiosos das relações comunicacionais, interessados em transmitir seus conhecimentos e ampliar as discussões acerca do tema.

Aos que desejarem adquirir um exemplar, por favor, me contatem pelo jmarciano@terra.com.br. A contribuição consiste na simbólica taxa de R$ 15,00 + despesas de envio.

Corram enquanto há disponibilidade no estoque.
Aquele abraço.

junho 24, 2008

cá estou eu, em meio a inúmeros afazeres, com aquela sensação de que sempre me falta algo, da ida para casa com o dever descumprido. eu sempre soube que a internet é uma vadia desgraçada inevitavelmente necessária e cúmplice. eu sempre soube que ir atrás e pagar pra ver poderia ser doloroso, mas não importa, porque sou uma auto-sofredora que, dependendo do momento, sinto prazer em certezas alheias. não. não falo sobre traição. talvez eu fale sobre meu próprio ego, sobre a aparência daquilo que nem todo mundo sabe ou sequer saberá. foda-se. fodam-se todos aqueles que precisam de esclarecimentos. sinto-me irremediavelmente mal por tomar a verdade pra mim e fazê-la senhora das minhas convicções. estou com defeito e a assistência técnica para marcianos é cara, é longe e surreal para o momento.

junho 23, 2008

Parei pra pensar um dia desses sobre a complexa insistência de andar por aí procurando um amor. O mundo anda tão cheio de gente e possibilidades que, de tanto tentar e esperar e começar de novo, inexplicavelmente, nos vemos sozinhos. E a busca continua. Tentativas pra todos os lados. Sorrisos indecifráveis pra pessoas indiferentes. Beijos entre línguas sem identidades. Sem sentimentos. A receita, bem estranha, diga-se de passagem, consiste em driblar a solidão com ela mesma... a própria solidão. Depois, voltamos pras nossas casas, aos nossos travesseiros, com o mesmo dilema de sempre: amor, aonde está você?

Por que as pessoas estão sempre à procura de um amor? E quando elas o tem, por que insistem em tornar as coisas tão complicadas, como se num pretexto para voltar à estaca zero?

Por que, se lemos um livro, a temática é amor? E se ouvimos uma música, idem? Por que, se pensamos em felicidade, nos remetemos à nossa cara metade? Mesmo sem ter a mínima idéia de quem seja ela. Por que, se mesmo tão presente, o amor é tão ausente?

É. Eu também não sei.